Cifonauta
NP-BioMar

 

Compartilhar
Buscar no site:
InícioTextos publicados em outros sites que citam o CEBIMar ou seus colaboradores

Para os artigos que estão disponíveis on-line, há um link para o texto completo após a referência. Para aqueles que não estão disponíveis na Internet, o texto pode ser solicitado para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

/ / /

  • Espécie que ameaça moluscos é localizada no litoral brasileiro

    Uma minhoca marinha que se locomove pelos mares do litoral brasileiro ameaça a produção nacional de ostras, vieiras e mexilhões. A espécie também foi localizada em Santa Catarina. O anelídeo da classe Polychaeta, chamado Polydora hoplura, é um invasor natural do oceano Pacífico e foi encontrado em Ilhabela, litoral norte de São Paulo, distante 533 quilômetros de Florianópolis. Por enquanto não se sabe quais seriam as espécies de Polydora em águas catarinenses e os possíveis impactos, mas a presença foi confirmada por pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

    Clipping de:

    Diário Catarinense, 01/08/2016.


  • Verme ameaça a produção de ostras, vieiras e mexilhões

    Os biólogos identificaram a presença da poliqueta P. hoplura em ostras selvagens coletadas em Ilhabela, litoral norte do Estado de São Paulo.

    Clipping de:

    Exame, 28 jul. 2016.


  • Yara Schaeffer Novelli: No atoleiro do manguezal

    Transitando entre ecologia, políticas públicas e educação, a aposentadoria não é motivo para repouso

    Clipping de:

    Revista Pesquisa Fapesp, n. 244, junho 2016.


  • Bela invasora do mar

    O nome pomposo foi escolhido em homenagem a duas personagens da mitologia grega: Cassiopeia, a rainha da Etiópia que com sua vaidade e arrogância teria provocado a ira das Nereidas, e Andrômeda, sua filha, oferecida em sacrifício a um monstro marinho enviado pelo deus Nereu para castigar o reino etíope. Reservada, Cassiopea andromeda não é como outras espécies de água-viva que saem por aí nadando em busca de comida e de parceiros sexuais.

    Clipping de:

    Agência Fapesp, 10 maio 2016


  • Experiência no cebimar

    Algo que sempre me atraiu mais do que o aprendizado de Ciências Biológicas dentro da sala de aula (e estou certo de que não sou o único!), foi a parte prática: a mão na massa, o “ver para crer”.

    Clipping de:

    Jornal O Uivo, 26 abril 2016


  • Desastre de Mariana pode ter afetado animais marinhos pouco conhecidos

    Além de diversas espécies já conhecidas, o desastre ambiental de Mariana, em Minas Gerais, pode ter afetado uma enorme variedade de outros organismos marinhos ainda pouco estudados que ocorriam em regiões atingidas pela lama tóxica vazada da barragem de rejeitos de minério de ferro, que rompeu no início de novembro.

    Clipping de:

    Agência Fapesp, 03 maio 2016.


  • Ampliação do Porto de São Sebastião é suspensa

    Sentença anula autorização concedida pela Ibama à Companhia Docas de São Sebastião, que permitiria dobrar a infraestrutura do porto no litoral norte de São Paulo. Ambas as partes podem recorrer da decisão.

    Clipping de:

    Estadão, 20 de abril de 2016.


  • It took 200 years to prove this jellyfish is real – and now it’s breeding in captivity

    The ghostly Rhizostoma luteum is a jellyfish so elusive that decades often pass without a single sighting. The creature was first discovered by naturalists in 1827, but it wasn't until 2013 – nearly 200 years later – that the species was confirmed to be real.

    Clipping de:

    Earth Touch News Network, online, 12 jan 2016.


  • Exposição “Cebimar 60 Anos” é aberta no Departamento de Patrimônio Histórico

    Foi aberta na noite desta sexta-feira (18), com o apoio da Secretaria de Cultura e Turismo de São Sebastião (Sectur) a exposição “Cebimar 60 Anos” em celebração ao aniversário deste órgão de pesquisas ligado à USP (Universidade de São Paulo). A exposição do Centro de Biologia Marinha (CEBIMar) conta com 40 fotografias que poderão ser vistas pelo público na sede do Departamento de Patrimônio Histórico (Deppat) da Sectur até o dia 13 de fevereiro de 2016.

    Clipping de:

    Prefeitura de São Sebastião, 19 dez 2015.


  • Temperature dependence of CO2-enhanced primary production in the European Arctic Ocean

    Authors: J. M. Holding,C. M. Duarte, M. Sanz-Martín, E. Mesa, J. M. Arrieta, M. Chierici, I. E. Hendriks, L. S. García-Corral, A. Regaudie-de-Gioux (CEBIMar/USP), A. Delgado, M. Reigstad, P. Wassmann & S. Agustí

    Published in: Nature Climate Change (2015), doi: 10.1038/nclimate2768

    The Arctic Ocean is warming at two to three times the global rate and is perceived to be a bellwether for ocean acidification. Increased CO2 concentrations are expected to have a fertilization effect on marine autotrophs, and higher temperatures should lead to increased rates of planktonic primary production. 

    Yet, simultaneous assessment of warming and increased CO2 on primary production in the Arctic has not been conducted. Here we test the expectation that CO2-enhanced gross primary production (GPP) may be temperature dependent, using data from several oceanographic cruises and experiments from both spring and summer in the European sector of the Arctic Ocean. Results confirm that CO2 enhances GPP (by a factor of up to ten) over a range of 145–2,099μatm; however, the greatest effects are observed only at lower temperatures and are constrained by nutrient and light availability to the spring period. The temperature dependence of CO2-enhanced primary production has significant implications for metabolic balance in a warmer, CO2-enriched Arctic Ocean in the future. In particular, it indicates that a twofold increase in primary production during the spring is likely in the Arctic.The Arctic Ocean is warming at two to three times the global rate1 and is perceived to be a bellwether for ocean acidification2, 3. Increased CO2 concentrations are expected to have a fertilization effect on marine autotrophs4, and higher temperatures should lead to increased rates of planktonic primary production5. Yet, simultaneous assessment of warming and increased CO2 on primary production in the Arctic has not been conducted. Here we test the expectation that CO2-enhanced gross primary production (GPP) may be temperature dependent, using data from several oceanographic cruises and experiments from both spring and summer in the European sector of the Arctic Ocean. Results confirm that CO2 enhances GPP (by a factor of up to ten) over a range of 145–2,099μatm; however, the greatest effects are observed only at lower temperatures and are constrained by nutrient and light availability to the spring period. The temperature dependence of CO2-enhanced primary production has significant implications for metabolic balance in a warmer, CO2-enriched Arctic Ocean in the future. In particular, it indicates that a twofold increase in primary production during the spring is likely in the Arctic.

     

     

  • ©2013 Centro de Biologia Marinha da Universidade de São Paulo
    http://www.usp.br/cbm